Quem somos

O Centro de Pesquisa em Estudos Culturais e Transformações na Comunicação e na Cultura/TRACC, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia, é reconhecido nacionalmente, na área da Comunicação, como um dos centros de referência em pesquisa sobre audiovisual e estudos culturais. Coordenamos duas redes de cooperação científica: uma nacional, a Rede de Pesquisa Historicidades dos processos Comunicacionais, que envolve pesquisadores de nove cursos de pós-graduação em Comunicação no Brasil; e o Projet Institutionnel de Cooperátion Scientifique PICS 06714 – Patrimoines-Images-Médias-Identités/PIMI, um acordo de cooperação científica realizado com recursos do Centre National de la Recherche Scientifique/CNRS, na França e que tem a participação de pesquisadores de quatro universidades francesas e quatro brasileiras. Aqui no site do TRACC estão disponíveis, em acesso livre, toda a produção científica, os cursos e as atividades de pesquisa e extensão realizadas, além de críticas de produtos audiovisuais, em Palimpsestos (http://tracc-ufba.com.br/palimpsestos/). As repercussões do Centro de pesquisa se evidenciam nos acordos de cooperação desenvolvidos com pesquisadores nacionais e estrangeiros, nas publicações científicas e na formação de pesquisadores, o que poderá ser verificado em detalhe nos currículos Lattes da coordenadora e dos seus pesquisadores e estudantes.

Histórico

O Centro de Pesquisa em Estudos Culturais e Transformações na Comunicação (TRACC) foi criado em 2015, como uma atualização do antigo Grupo de Pesquisa em Análise de Telejornalismo (GPAT), num movimento de ampliação de sua ambição e seus propósitos: suas pesquisas não são mais marcadas por um objeto empírico específico (o telejornalismo), mas por desenvolver a reflexão dos estudos culturais sobre os produtos e os processos comunicacionais. Os conceitos metodológicos de modo de endereçamento, gênero midiático e estrutura de sentimento e a metodologia de análise desenvolvida pelo GPAT têm sido convocados para a análise de um escopo mais amplo de produtos e processos comunicacionais. O Grupo de Pesquisa em Análise de Telejornalismo (GPAT), que esteve ativo entre 2001 e 2018, tinha como principal interesse o desenvolvimento instrumental teórico e metodológico para a análise de programas telejornalísticos no marco dos estudos culturais, em associação com os estudos de linguagem, abordagem que implicava a consideração de aspectos ao mesmo tempo históricos, sociais, ideológicos e culturais do telejornalismo. A trajetória do grupo se consolidou no campo da pesquisa sobre telejornalismo no Brasil com especial atenção às relações entre jornalismo – aqui entendido enquanto uma instituição social –, televisão – entendida enquanto forma cultural – e cultura brasileira. Ao longo desse processo, os conceitos metodológicos de modo de endereçamento, gênero televisivo e estrutura do sentimentos e destacaram como ferramentas fundamentais de análise.

Ementa do Grupo

O TRACC acolhe estudos de diferentes formas culturais (televisão, jornalismo, música, videoclipe, podcast, animação, série, meme, canais de YouTube, plataforma de streaming, fotografia, quadrinhos, cinema etc.), que tenham em comum:

  1. O interesse em desenvolver, aprofundar e ampliar apropriações dos estudos culturais para a análise da comunicação, seus produtos e processos, o que nos permite fazer articulações com a estética, a história, a política, a semiótica etc. Nesse sentido, contempla pesquisas que busquem aprofundar vínculo entre estudos culturais e comunicação.
  2. O interesse pela análise de formas culturais que considere seus processos de formação, transições e/ou transformações, ou seja, as pesquisas dão ênfase ao desenvolvimento de instrumental para a análise de processos históricos e transformações na comunicação.